Histórias do torcedor

Passou momentos emocionantes no Palestra Itália? Conte pra gente o que você viveu lá. Comente  aqui.

Anúncios

26 Respostas para “Histórias do torcedor

  1. Paulinho Azeitona

    Nossa vivi momentos maravilhosos no Palestra Italia e claro que nada na vida vem de rosas , e espinhos foi o que não faltaram para os Palmeirenses em alguns jogos com derrotas amargas.
    Mas a melhor de todas claro que foi em no dia 16 de junho de 1999 , Libertadores da Améria , Palmeiras x Deportivo Cali , era aniversário na minha ex namorada nesse dia , eu tinha duas opções :
    1 – ir na festa de aniversário dela , ou a segunda:
    2- ir até o Palestra e tentar ver o verdão campeão da Libertadores pela primeira vez.
    Foi o que fiz , comprei meu ingresso cheguei por volta das 19:30 e não consegui um bom lugar pois ja estava lotado. Vi meu verdão ser campeão e fui para a Av.Paulista comemrorei como um louco e perdi a namorada , mas faz parte até mesmo pq , em primeiro lugar tenho Deus no meu coração , depois minha filha , e depois o meu eterno verdão.
    Abs a todos e boa sorte.

  2. Thales Perez Barbosa Pinho

    Minha primeira ida ao Palestra aconteceu em 1994 em um jogo válido pelo Paulistão daquele ano, o jogo era Palmeiras e Ferroviaria, nem me lembro do resultado pois tinha apenas 5 anos de idade. Em 1998 quando eu tinha apenas 9 anos de idade, o Palmeiras estava na final da Mercosul contra o Cruzeiro, e meu pai(meu eterno companheiro de jogos) comprou 3 ingressos para a finalissima, pois a decisão foi feita em 3 jogos, e me deu a esperança de ver o primeiro titulo do Palestra in loco. Fui frustrado pela preocupação de um pai que tinha receios de levar seu filho de 9 anos a uma final de campeonato, ele levou 2 primos meus, mais velhos claro, o que me deixou PUTO da vida. Tudo bem, o Palmeiras foi campeão, mas o duro foi aguentar meus primos falando desse jogo durante meses. Mas a recompensa foi fantástica, no dia 15 de junho de 1999(nunca vou me esquecer) meu pai me ligou e me disse ” filho, tomei coragem e comprei 2 ingressos para a final da Libertadores” MAGNIFICO. No dia 16 lá estávamos, na curva da arquibancada próximos a grade que dividia a numerada descoberta da arquibancada. Lá pelas 19 horas, com o estádio lotado lembro de ver uma correria na arquibancada, bem próximo da onde estávamos. Um senhor não aguentou a emoção e teve um ataque cardiaco, faleceu em pleno Palestra, triste, porém nada mais nobre para um Palmeirense do que morrer em pleno Palestra Italia. A tristeza logo passou, e as bandeiras brancas com o escudo no centro, distribuidas por algum patrocinador forravam todo o estádio. O jogo foi sofrido 1×0 magro, que levou a decisão para os penaltis, no gol do anel, bem na nossa frente. Todos nervosos, o Palmeiras teria como primeiro batedor o eterno maestro Zinho, que chutou uma bomba no travessão, todos engolimos seco nesse momento, mas a magia do Palestra não falha, a partir dai convertemos os outros 4 e o Deportivo errou mais 2. PALMEIRAS CAMPEÃO DA LIBERTADORES, nunca chorei tanto nos braços do meu pai, que me dizia ” você com 10 anos viu um titulo que eu esperei por mais de 40, espero que você não se esqueça disso”(palavras que eu nunca vou esquecer). E no ultimo jogo oficial do verdão no velho palestra, lá estavamos nós, e lá estava o Palmeiras ganhando com muita raça 3×0 em cima do Grêmio.

    • Thales,

      O jogo foi 2×1 gols de Evair de penalti e Oséas. O gol do Deportivo foi de penalti do zagueiro Zapata o mesmo que errou a última cobrança e que nos deu o título da Libertadores.

      Abraços,
      Thiago

  3. Que lindo projeto. Nossa falar em palestra é recordar de tudo, de tudo que vivi quando pequeno jovem. Trabalhava de servente de pedreiro aqui na zona sul, ganhava 100 reais por semana dava 50 para a minha mae e o outro ia ao Palestra, escrevendo sinto ainda a emoção cada vez que entrava pelo portão da turiassu. Ia só, sem ninguem para acompanhar porque queria tudo aqui só para mim. Queria viver aquilo tudo no seu total, sem compartilhar, sem perder nenhum momento. Fico emocionado de passar pelas cauçadas do palestra e olhar tudo aqui, uma grande caixa oval de felicidade. Beijava a mão e levava até o chão da arquibancada discretamente toda a vez que ia embora apos o jogo, tipo, thau palestra até logo. Palestra Itália é como se fosse um grande amigo, ali vi derrotas, ali vi grandes vitoria, choramos tudo isso, só eu e o Palestra Itália

  4. Rodrigo Ricardo

    No dia 04/10/2008 dia que completava meu 33º aniversário realizei um dos maiores sonhos da minha vida: conhecer o PALESTRA ITÁLIA
    Antes de entrar no estádio tive a oportunidade de falar por alguns instantes e ter registrado com foto nada mais nada menos do que o grande OBERDAN CATANI um dos ídolos do meu nono.
    Jamais esquecerei esse dia que passei ao lado do meu pai e do meu sobrinho ou seja na minha família damos continuiadade ao legado de sermos PALMEIRENSES algo que começou com meu avô quando veio da ITÁLIA.
    Sem dúvida foi um grande presente de aniversário.
    Que venha a ARENA e que ela nos traga grandes alegrias!

  5. Daniel "A BEXIGA"

    Ultima rodada do brasileira 05, os marginais s/nº ja eram campeos ROUBADOS daquele ano.PalmeirasXFlorminense domingo ensolarado perfeito para ver o Palestra que jogava pela vaga na libertadores de 06.Assim fomos eu mais um amigo para o Palestra.Na ida compramos algumas bexigas verdes e brancas, la quando chegamos distrubuimos.Jogo começa e flu faz 1a0 no 1ºtempo.No 2º tempo o nosso Santo Marcos acerta um LINDO lançamento para gioino que cruz eo Washington empata e festa para nois, mais arouca acerta um chuta e faz 2a1 flu eu mal pude acreditar que perderiamos em casa a nossa vaga para a libertadores.Assim juninho paulista empata na cobrança de falta 2a2.Assim comemoramos e eu percebi que ainda havia uma unica bexiga assim comentei com meu amigo “voce vai ver vamos virar e eu vo estourar essa bexiga” e assim viramos com corea 3a2 palmeiras….

  6. Falar de “PALESTRA ITÁLIA” , é o mesmo que falar do quintal de nossas casas… Ali, todos nós Palmeirenses e eternos Palestrinos sempre nos divertimos !
    Com maravilhosas vitórias e com amargas derrotas, nunca deixamos de fazer tremer o “Jardim Suspenso”
    Nosso Hino diz: – ” Torcida que canta e vibra “, e é com essa melodia que sempre ecoamos os momentos sagrados de “Gooool”
    Agora nossa casa terá um novo quintal !
    Teremos novamente que nos divertir, e ensinar nossos filhos e netos que, em nossa casa e em nosso quintal, o grito de “Goool será sempre eterno…
    Porquê, quando surge o alvi-verde imponente é no gramado que a luta o aguarda… !!!
    E o prélio meus amigos, não tarda !

  7. Meu Sonho sempre foi conhecer o Palestra Itália, e no dia 22 de Maio de 2010 estaria acontecendo a ultima partida oficial no estádio, assim eu não poderia morrer sem conhecer o Palestra Itália antes de virar Arena.
    Acontece que eu não tinha condições de ir ao jogo, pois moro em Dourados Mato Grosso do Sul, mas eu disse para mim mesmo, “eu vou nesse jogo” e assim vendi a minha guitarra que era o meu chodó para conseguir o dinheiro para a viagem.
    Meu Objetivo era apenas assistir o jogo, mas não foi somente isso que aconteceu, quando estava la na frente do estádio a espera do começo do jogo, recebi o convite de um senhor (que não lembro o nome desculpa) para conhecer sala de trofeus, *-* foi lindo, me emocionei chorei na sala de trofeus de emoção, de ver todas aquelas conquistas.
    Ao sair da sala de trofeus ainda conheci o Cesar Maluco, tirei fotos e tudo mais.
    Quando decidimos entrar para o estádio, quando fui vendo que eu realmente estava ali, estava vendo o Palestra Itália de perto, já sentindo a vibração da torcida que la estava presente, foi me arrepiando muito, quando fui subindo as escadas pra chegar ate a arquibancada e ver o gramado eu chorei de emoção, a emoção veio atona foi lindo.
    Durando a Partida fiquei junto com a TUP, lembro que eu estava ardendo em febre, dor de garganta, muito doente e garoando, mas não parei de cantar pular e me alegrar, a cada gol era uma festa e uma emoção ainda maior e eu fui felizardo de conhecer o Palestra Itália em um jogo historia desses, de ter essa experiência que nunca sairá da minha mente e ainda presenciar uma goleada de 4×2 encima do Grêmio.

  8. FILIPE POLOTTO

    O QUE É SER PALMEIRENSE???Ser palmeirense não é pra qualquer um
    Somos apaixonados e fanáticos por um clube de glórias únicas, um exército verde e branco que nasceu italiano e hoje é baiano, carioca, cearense paulistano brasileiro
    Somos campeões por natureza, nascemos campeões e assim morreremos. Na verdade somos imortais assim como aqueles homens que lembramos até hoje. Heróis que conhecemos tão bem sem nunca termos conhecido
    Temos um passado de glórias, e um futuro que sabemos que vai ser maravilhoso, afinal, somos palmeirenses
    Vivemos um presente suado e nem sempre vitorioso, mas é nas derrotas também que mostramos nossa grandeza Grandeza de cair, mas saber levantar e ressurgir ainda mais forte, ainda mais orgulhoso, ainda mais imponente
    Somos palmeirenses, filhos um pouco mimados de um Palmeiras generoso que nos deu São Paulo, o Brasil, a América o Mundo e tantos outros presentes e alegrias que são tantas que são incontáveis
    Se no momento da vitória eu bato no peito e digo que o amo, no momento da derrota eu faço o mesmo. Te amo Palmeiras! Você me faz sofrer, como fez hoje, como quarta, como tantas outras inúmeras vezes, inúmeros jogos, inúmeros desprazeres da vida. Mas Palmeiras, o quão feliz você me faz com tão pouco, é enorme o suficiente para não caber em minhas palavras. Escolho sofrer de vez em quando a deixar de te amar sempre.
    Já te aviso, continuarei acreditando em você, confiando nas suas verdades, ignorando suas mentiras. Na terça me despirei do meu ódio, minha indignação, meus sentimentos mesquinhos de mortal torcedor. Farei do nosso encontro, nosso jogo, como nosso pedido eterno de perdão. Me perdoe Palmeiras por te ver tão mal representado em cores, por homens de pouco brio, por pés tão desgraçadamente sem vontade. E eu te perdôo por me enganar tanto. Também perdoe aqueles que não te honram, que te profanam, os meninos que desafiam sua grandeza apenas pela omissão, os homens feitos que não o dignificam, pois são incapazes. Ser Palmeirense é torcer por uma paixão
    Ser palmeirense é saber q foi o 1° campeão mundial
    O campeão do século
    É o único clube q tem a maior e fantástica fabrica de goleiros do mundo
    É saber q tem um Santo no gol fazendo seus milagres
    Ser palmeirense é fazer parte de uma família de 20 milhoes de irmãos
    É o único q pode dizer q lutei para chegar aonde estou…
    Cai e me levantei
    É ter glorias ao lado de DIVINO
    Ser PALMEIRENSE é não se importar com o mundo
    E sim no Palestra italia
    Ser Palmeirense é mostrar q nenhuma dificuldade nos abate,ao contrario
    Isso nos dar mais força para lutar e vencer honestamente

    Ser palmeirense é Simplesmente Ser palmeirense

    Ser palmeirense é antes de tudo ter muita personalidade.
    Quantas pessoas você conhece que torcem pro flamengo porque todo mundo torce?
    Esse não é motivo de um torcedor Palmeirense torcer pelo Palmeiras.
    Eu sou Palmeiras porque quando criança vi o verdão jogar e simplesmente gostei.
    Não sou Palmeirense por causa do meu pai e nem por causa dos meus amigos.
    Mas uma coisa é certa, por causa da minha paixão, vi muitos se tornarem Palmeirenses.
    Ser Palmeirense é poder fazer poesia com os olhos verdes da menina,
    E ao mesmo tempo falar desse grande time.
    Ser Palmeirense é ser quatro vezes campeão brasileiro
    É poder ser a pedra no sapato de qualquer Corintiano
    É ter título da Taça Libertadores.
    Ser Palmeirense é poder olhar pra natureza e ver que, na verdade, quase tudo é verde.
    Ser palmeirense é não se preocupar como anda o enfraquecido campeonato carioca.
    É poder dizer que o verdão foi o primeiro time a representar a seleção Brasileira.
    É já ter experimentado o nome Coca Cola na camisa do time.
    É poder falar que o Erasmo Carlos tem pelo menos uma qualidade, ser Palmeirense.
    É poder dizer que a filosofia de Ana Maria é barata, mas ela sabe pra quem torcer.
    É saber que nosso hino é considerado o mais bonito do Brasil.
    É saber que somos relativamente pequenos e fazemos um barulho relativamente alto.
    É saber que na Itália somos amados por muitos.
    É saber que estamos entre os cinco times mais ricos do Brasil.
    Temos um estádio onde os vizinhos interagem com luzes.
    Temos um centro de treinamento de dar inveja em muitos times.
    E acima de tudo, ser palmeirense, é ser feliz!
    Ser Palmeirense é torcer por uma paixão
    Ser palmeirense é saber q foi o 1° campeão mundial
    O campeão do século
    É o único clube q tem a maior e fantástica fabrica de goleiros do mundo
    É saber q tem um Santo no gol fazendo seus milagres
    Ser palmeirense é fazer parte de uma família de 20 milhoes de irmãos
    É o único q pode dizer q lutei para chegar aonde estou…
    Cai e me levantei
    Ser PALMEIRENSE é não se importar com o mundo
    E sim no Palestra italia
    Ser Palmeirense é mostrar q nenhuma dificuldade nos abate,ao contrario
    Isso nos dar mais força para lutar e vencer honestamente

    Ser palmeirense é Simplesmente Ser palmeirense

    Explicar para um Palmeirense o que é ser Palmeirense é desnecessário. Para quem não é Palmeirense é simplesmente impossível.

    Todas as torcidas acabam puxando sardinha para suas próprias conquistas, mas poucos clubes tem uma história tão épica e rica como o Palmeiras. Não é a toa que um filme sobre nosso clube já está a caminho, poucos times no mundo tem um roteiro para isso. Não é preciso forçar situações ou mesmo dramatizar, basta consultar a história do nosso glorioso clube.

    O Palmeirense cada vez mais quer ajudar e participar do dia a dia do clube, seja pagando R$30,00 para ver o time na arquibancada, seja participando do Onda Verde ou esgotando a camisa Verde Limão.

    O Palmeirense quer mudar o clube, se associando e participando da vida política. Os Palmeirenses do “bem” se proliferaram dentro do nosso clube, desde 2003 centenas de pessoas com uma nova mentalidade pagam sua mensalidade e aguardam uma chance de poder colaborar de maneira efetiva.

    O Palmeirense é um viciado em títulos, estamos em mais um jejum, mas por culpa da falta de planejamento e do egocentrismo dos nossos antigos comandantes.
    Esse jejum não diminuiu o amor de nossa torcida. Pelo contrário, nos uniu ainda mais!

    Cada vez mais estamos sentindo que a hora de desabafar está chegando. Não existe um grito de CAMPEÃO que vem do coração como o do Palmeirense.

    Somos uma alternativa em meio à mesmice, todos os times tem as mesmas cores, outros não tem história, até tem, mas dá vergonha de contar.

    Não somos o que chamam por ai de “time do povão”, mas quantidade não é qualidade! É só ir ao Palestra em uma tarde de domingo ou em uma noite de quarta feira, vc se sente em casa, em meio a amigos, não existe experiência mais bacana que essa.

    Ser Palmeirense é ser diferente. É amar o clube incondicionalmente.

    Ser Palmeirense é estar sempre apaixonado, amor a primeira partida.

    Ser Palmeirense nos motiva, nos emociona, faz com que a vida tenha seja vivida intensamente.

    Ser Palmeirense… Ah, acho que não preciso ficar explicando

    Palmeiras ♥
    . time ? não não . Religião ¬
    ser Palmeiras não é só vestir umα cαmiisα
    é honrαr o time nα αlegriα e nα tristezα
    αmor que não ¬ ¬ ¬ ¬ se mede ♪
    que não se repete ♪ ¬ ¬ ¬ ¬
    Por que desde criαnçα, αté o fiim dos meus diαs
     ¬
    Um amor chamado Palmeiras.
    Já chorei e ri, no ardor da derrota, na explosão da vitória, no êxtase do gol, na displicencia do descenso, no calor do título. Sobre ti Minha cara eu pintei, de verde e branco, de coração. Para todos demonstrei sem pudor nem vergonha de falar, meu time sempre vou amar. Não há melhor sensação que torcer por ti. Meu time meu amor, minha casa, meu refúgio, meu porto seguro. Falar de ti é fácil, Fatos, estatísticas, toda matemática da bola está ao seu favor; Não há quem reprove, quem discorde. Existem os que invejam, Mas esses são desprezados. Meu Alvi-Verde imponente, mostre-me a força da sua torcida que canta e vibra, que faz festa, que adora, ir pra nossa casa e lá apoiar, nosso time nosso patrimônio nosso bem mais precioso, a camisa. Ser Palmeirense é saber das minuciosidades do futebol. É aproveitar cada passe, cada centímetro do espetáculo. Amar um símbolo, amar a vida

    O NOSSO MAIOR ORGULHO É SEMPRE SER PALMEIRAS
    O VERDE CORRE NO SANGUE DESSA GENTE TÃO GUERREIRA
    ELE PODE ATÉ PERDER, ELE PODE ATÉ GANHAR!!
    SEREMOS SEMPRE MANCHA VERDE
    A QUALQUER HÓRA EM QUALQUER LUGAR!!

    NO PALESTRA OU NO PACAEMBU
    EUROPA OU AMERICA DO SUL…
    A MANCHA VAI LEVAR SUA BANDEIRA…
    MOSTRAR PRO MUNDO INTEIRO SEU VALOR

    OLE PORCO…OLE PORCO
    NADA SE COMPARA AO NOSSO AMOR

    ACONTEÇA O QUE ACONTECER…
    SOMOS PALMEIRAS ATÉ MORRER!!

    Bom..acho que ser palmeirense..essa frase do meu amigo Miro explica BEM:
    ||
    ||
    \/
    “SER PALMEIRENSE, É PODER SENTIR-SE ACIMA DO BEM E DO MAL,ACIMA DA VITÓRIA E DA DERROTA, OU DE QUALQUER SITUAÇÃO OU
    MOMENTO. É PODER SENTIR-SE EM OUTRA DIMENSÃO, SENTIR-SE IMORTAL, POIS SER PALMEIRENSE, NUNCA FOI É SERÁ PARA QUALQUER UM, É SIMPLESMENTE UM ESTADO DE ESPÍRITO, POUCOS CONSEGUEM ALCANÇAR ISSO. O AMOR QUE SENTIMOS POR TI, SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, NUNCA LIMITAR-SE-A À UM JOGO OU UMA COMPETIÇÃO QUALQUER, POIS ESTE AMOR, ULTRAPASSA O TEMPO E O ESPAÇO.ULTRAPASSA OS LIMITES DA RAZÃO. OBRIGADO, AMADO PALESTRA-PALMEIRAS, POR DESDE 1914, EXISTIR EM NOSSAS VIDAS”.

    Como bom palmeirense, não consigo definir o que é ser palmeirense, para mim é algo que está acima da paixão, algo que rompe com os limites da razão. Vejam as definições de alguns palmeirenses ilustres:

    “Não é qualquer um que pode jogar com a mesma camisa 901 vezes. Foi o que aconteceu comigo e a minha identificação com o Palmeiras é total” – Ademir da Guia (o “Divino”, jogador que mais vestiu a camisa do Palmeiras)
    “Minha vida não seria a mesma sem ter vindo de Sorocaba para jogar pelo Palestra. Iniciei no Palestra e vesti a camisa do Palmeiras, o que representa muita mais do que amor” – Oberdan Cattani (goleiro, um dos símbolos da “Arrancada Heroica”, quando o Palestra se tornou Palmeiras)

    “O Palmeiras dignificou o futebol Brasileiro, sempre esteve à frente na maioria dos campeonatos que disputou, e, neste clube que foi uma alegria em minha vida, consegui muitos títulos, fiz amizades e aprendi, de fato, a jogar futebol” – Dudu (volante do Palmeiras, venceu o campeonato paulista de 1976 como técnico do clube)

    “O amor é Verde, Branca a razão, eu plantei Palmeiras no coração” – Moacyr Franco (cantor, ator e compositor, autor da canção “O amor é Verde”)

    “Quando eu era criança, ia com meu pai, nos domingos à tarde, assitir aos jogos do Palmeiras. Os aspirantes jogavam antes, os titulares do jogo principal ficavam assistindo, sentados no alto das arquibancadas. Eu ficava idolatrando, olhando. Não tinha coragem para falar com eles. Na época, nem autógrafo se pedia. Eu me lembro dos jogadores: Jair Rosa Pinto, Turcão, Lula(ponta direita do Palmeiras). Inesquecivel” – José Serra (Governador do estado de São Paulo)

    “Aprendi a gostar do Palmeiras com meu pai, Érico Bavini, palestrino fanático, que me levava ao Palestra Italia na década de 1950 para ver Oberdan Cattani jogar. Lembro-me do Oberdan, quando o Palmeiras conquistou a Copa Rio de 1951, tocando em minha cabeça com aquela mão enorme. Foi emocionante” – Sérgio Reis (cantor, ator e compositor)
    “Explicar a emoção de ser palmeirense, a um palmeirense, é totalmente desnecessário. E a quem não é palmeirense… é simplesmente impossível!” – Joelmir Beting (sociólogo e jornalista)
    O que é ser palmeirense? Eis uma resposta inexplicável. Eis um sentimento indecifrável. Alguns dizem que é fanatismo, outros afirmam que é pura religião. Mas não,ser palmeirense é simplesmente ser palmeirense.

    Já Joelmir Beting preferiu o argumento de que explicar para um palmeirense o que é ser palmeirense é desnecessário. Para quem não é palmeirense é simplesmente impossível.
    Sim, ninguém entende. Ninguém entende como caímos em dezembro de 2002, e, mesmo assim, o amor só aumentou. É difícil entender um jejum de anos e anos sem títulos importantes e um sentimento ainda maior. Ah, Palmeiras!!
    Sim, eu nasci palmeirense. Seis anos depois o vi ser campeão pela primeira vez. Era o dia dos namorados de 1993 com um 4 a 0 em cima do Corinthians. Ai eu descobri que ser palmeirense é um exercício muito mais de humildade do que de arrogância. Se eu preferisse o êxtase da massa, provavelmente teria sido corintiano, flamenguista e etc…
    O Palmeiras é isso, não se define. Apenas se reflete no coração de cada alviverde e no grito do cada torcedor. No choro, na lágrima e na alegria.
    Palmeiras não é vitória, nem derrota. O palmeirense não se faz, já nasce feito
    E, ENCANTADO, é Verdão até morrer.
    Ser palmeirense não é apenas torcer por uma vitória num jogo ou num campeonato. Ser palmeirense é acreditar num conceito de vida eterna, de desafio permanente à acomodação, é não se apaixonar por modismos efêmeros, mas por credos e valores eternos. Ser palmeirense é acreditar sempre e ter consciência de que a vida é dura, mas tudo é possível.
    PALMEIRAS, MINHA VIDA É VOCÊ!

    Em seguida a torcida começou a cantar o hino e ele parou de chorar e cantou junto, mas a gente continuou a não jogar nada e no intervalo ele não pediu quis nada, nem sorvete, nem pipoca, ele estava triste, e me falou: O PALMEIRAS não vai ser Campeão, né pai? Cara me deu um nó na garganta, mas como sempre faço, afirmei para ele que iríamos virar no segundo tempo.
    Quase no fim do jogo, depois do enésimo passe de lado do Diego Souza ele me fez outra pergunta, essa eu não consegui responder; Pai, por que o DS não dribla mais ninguém?
    Acabou o jogo e saímos naquele clima de velório, eu já vivi isso muitas vezes, acompanhei a fila inteira, as duas, eu amo o PALMEIRAS, mais do que eu posso explicar. No caminho para o carro fomos em silencio e um pensamento não saía da minha cabeça.
    A grande maioria da família da minha esposa é composta por sãopaulinos, inclusive o padrinho do Diogão é bambi, todos os seus primos, eles fazem a maior pressão psicológica para ele torcer para o São Paulo, trazem camisas, faixas de campeão e o escambau. Fui pensando em falar para ele que se ele quisesse torcer para o São Paulo como a mãe dele eu não ficaria triste(a maior mentira do mundo, isso me destruiria). Mas eu não estou agüentando ver meu filho chorar a cada derrota, a cada gol levado.
    Chegamos em casa e fui por ele para dormir e falei para ele se ele quisesse torcer para o time da mãe dele eu não ligaria. Ele me abraçou e me disse: Pai eu sou PALMEIRENSE, eu não ligo de ser campeão, você me leva no jogo contra o Atletico? Chorei pra caralho, eu sei que não fica bem para um coroa de mais de 40 anos ficar chorando por futebol, mas não agüentei.
    Ser palmeirense é antes de tudo ter muita personalidade.
    Quantas pessoas você conhece que torcem pro flamengo porque todo mundo torce?
    Esse não é motivo de um torcedor Palmeirense torcer pelo Palmeiras.
    Eu sou Palmeiras porque quando criança vi o verdão jogar e simplesmente gostei.
    Não sou Palmeirense por causa do meu pai e nem por causa dos meus amigos.
    Mas uma coisa é certa, por causa da minha paixão, vi muitos se tornarem Palmeirenses.
    Ser Palmeirense é poder fazer poesia com os olhos verdes da menina,
    E ao mesmo tempo falar desse grande time.
    Ser Palmeirense é ser quatro vezes campeão brasileiro
    É poder ser a pedra no sapato de qualquer Corintiano
    É ter título da Taça Libertadores.
    Ser Palmeirense é poder olhar pra natureza e ver que, na verdade, quase tudo é verde.
    Ser palmeirense é não se preocupar como anda o enfraquecido campeonato carioca.
    É poder dizer que o verdão foi o primeiro time a representar a seleção Brasileira.
    É já ter experimentado o nome Coca Cola na camisa do time.
    É poder falar que o Erasmo Carlos tem pelo menos uma qualidade, ser Palmeirense.
    É poder dizer que a filosofia de Ana Maria é barata, mas ela sabe pra quem torcer.
    É saber que nosso hino é considerado o mais bonito do Brasil.
    É saber que somos relativamente pequenos e fazemos um barulho relativamente alto.
    É saber que na Itália somos amados por muitos.
    É saber que estamos entre os cinco times mais ricos do Brasil.
    Temos um estádio onde os vizinhos interagem com luzes.
    Temos um centro de treinamento de dar inveja em muitos times.
    E acima de tudo, ser palmeirense, é ser feliz!

    Minha vontade era esquecer que esse dia existiu, dormir e acordar ano que vem… mas quer saber… eu não me envergonho, AQUI É PALMEIRAS ETERNAMENTE com orgulho!!! perdendo, ganhando, caindo, dando vexame… em qualquer hipótese eu tenho orgulho de ser palestrino!!!
    Aquele maldito gol CAGADO daquele imbecil do caralho acabou com o time… também é foda, tomar um gol daqueles no fim do primeiro tempo é pra desanimar qualquer um, mas po, os caras são profissionais né…. não podem se abalar desse jeito…. mas é aquela coisa… a velha história do peso da decisão, da camisa, da carência de títulos… tudo aquilo que a gente ja sabe
    De qualquer forma não consigo culpar o time ou a escalação ou o técnico ou qualquer outra coisa. Não deu, apenas isso!
    Jogamos de forma perfeita no primeiro tempo e não mantivemos a postura no segundo… ai esse time MEDÍOCRE do goiás que nunca ganhou nada na vida fez um gol no vacilo da zaga e acabou se classificando… são coisas do futebol… infelizmente acontece

    A única coisa que espero daqui pra frente é, pelo menos, manter o mesmo time para o ano que vem e, se possível, que cheguem alguns reforços… NUNCA VAMOS DEIXAR DE TORCER E APOIAR
    VALEU PALMEIRAS!!!!
    FORZA!!!

  9. MEUS 23 ANOS DE INVENCIBILIDADE

    A primeira vez que fui a um estádio de futebol eu tinha 14 anos e foi para ver a semi-final do Paulistão de 1987, no Morumbi, entre SP e Palmeiras, quem me levou foi meu avô, o responsável por eu gostar tanto de futebol e do Palmeiras.

    Naquele primeiro jogo, houve um empate sem gols, mas fiquei irradiante de alegria. Contudo, naquele dia começava uma história muito rara e incrível. Desde então, já fui a mais de 100 jogos do Palmeiras (em diversos estádios, mas principalmente no Palestra Itália) e JAMAIS o vi perder em campo. Até 2010 já se somam 23 anos de invencibilidade…

    No final da década de 80 o Palmeiras ficou muitos anos sem perder jogando no Palestra Itália e eu ia praticamente em todos os jogos por lá. Nos anos 90 fui morar no interior de SP, mas costumava ir aos principais jogos e meu “pé-quente” continuava a funcionar.

    De todos os jogos que fui, o mais impressionante, com relação à minha invencibilidade, sem dúvida, foi aquele Palmeiras x Flamengo pela Copa do Brasil, no chamado “jogo do Euller”, no qual o Palmeiras conseguiu uma virada heroica e histórica, com 2 gols de Euller (o “filho do vento”) nos acréscimos da partida.

    Também me lembro de um outro jogo contra o Flamengo, pelo brasileiro de 2007 (se não me engano), em que só consegui entrar no Palestra no intervalo do jogo, por conta da enorme fila, o Palmeiras perdia por 2 x 0. Sentei e perguntei pra um senhor ao meu lado sobre o jogo e ele me disse que o time estava jogando mal e que ia tomar goleada. Me lembro de dizer a ele: “pode ficar tranquilo, eu sou pé-quente, nunca vi o Palmeiras perder quando venho ao campo e vamos virar”. Foi o que aconteceu, o Palmeiras virou com gols de Edmundo e o “tiozinho” me abraçava e dizia que eu tinha que ir a todos os jogos do Palmeiras… rs

    Esta história da minha invencibilidade já é uma “lenda” entre meus amigos, quando eu vou ao jogo, ligo pra eles de lá e digo: “estou aqui, pode ficar tranquilo que o Palmeiras não vai perder hoje…” … rs

    Posso dizer que neste “Primeiro Tempo” do Palestra Itália eu dei muita sorte ao time, são 23 anos de invencibilidade. Eu tenho plena ciência de que em muitos jogos o Palmeiras só venceu ou se salvou da derrota por que eu estava lá, na arquibancada torcendo, vibrando e emanando energias positivas… 😉

    Coloco-me à disposição para participar do documentário com depoimentos, abraços a todos, parabéns pela iniciativa e ideia!

    Prof. Marco Bonito
    Universidade Federal do Pampa
    Doutorando em Comunicação
    Twitter: @marcobonito e @aovivoesportes

  10. O Palestra é a casa do palmeirense. Não importa se cabem 20, 25 ou 32 mil pessoas. É a nossa casa. É ali que conquistamos vários títulos e ganhamos na raça ou na técnica. E é ali que também perdemos outros jogos. Normal. Isso é futebol. Não precisamos esconder nossas derrotas, como outros clubes fazem. Derrotas fazem parte da vida de todos. Porque seria diferente de um clube de futebol?

    Mas, muito mais do que outros, conseguimos levantar de um sofrimento e continuar caminhando. Compramos o estádio em 1920. São quase 100 anos só de estádio. Enquanto os ditos maiores clubes do Brasil não possuem o mesmo patrimônio.

    Isso mostra a grandeza do Palestra Italia e a grandeza do Palmeiras.

    Obrigado por fazerem esse vídeo. A torcida do Palmeiras é muito carente de uma comunicação mais efetiva do clube. Vídeos, matérias, documentários, filmes, etc. Coisas simples, mas que enaltecem a nossa história.

    Estou ansioso pra ver o documentário. Espero que seja tão bom quanto o trailer. A música se alinhou perfeitamente ao Palmeiras.

    Abraços!

    Orgoglio di essere Palmeiras!

  11. Rodrigo Ferreira Das Neves

    Grande e Eterno Palestra Italia, como esquecer de ti ? não da! foi la que chorei, vibrei, cantei,
    é comemorei titulos maravilhosos, Um em especial minha primeira vez no palestra italia
    tinha 6 anos de idade o jogo ? Final Da Libertadores Palmeiras x deportivo cali, me lembro
    do calor e da ernegia da torcida que canta e vibra, nossa casa estava lotada não dava nem pra movimentar
    os braços, a arquibancada tremia e o adversario sentia medo, eu naquela epoca pequeno ficava sentado no
    ombro do meu pai, Grande Pai que me aguentou o jogo inteiro cantando e vibrando comigo nas costas, o jogo
    nao foi facil, fizemos o placar e levamos a final para os penaltis, fico arrepiado de lembrar aquele momento de
    tensão, me lembro de um senhor, que antes da batida do penalti ele olhou pra mim e eu disse: o Marcos vai pegar
    e ele me respondeu vai sim! quando o zapata partiu pra cobrança e mandou pra fora, foi uma emoção uma alegria
    e um prazer de ser Palmeirense, Conquistamos a Tão Sonhada libertadores ( Morram de inveja gambás )
    Agradeço a todos os jogadores daquela epoca que deram o sangue e mostraram o que é e o que tem que ser
    o nosso verdão.

  12. Eduardo P. Vivan

    Desde o 5 anos meu pai me levava nas numeradas do Palestra. No início, diz meu pai, que eu dormia em alguns jogos. Já com uns 15 anos lembro-me de termos ido algumas vezes também de arquibancada, e lá, como era de costume das organizadas, deixavam algumas bandeiras a disposição. Lembro de termos ficado uma semana com dor nas costas de tanto balançar a bandeira, mas valeu cada pontada de dor.
    Algumas outras coisas que me marcaram muito no palestra:
    -Ver os times de 93, 94 e 96. (O que foram estes times! Foram os melhores que já vi jogar)
    -O foguetório do início da era Parmalat (não lembro contra quem foi o jogo)
    -Libertadores de 1999
    Em 1997 fui estudar no interior, e quando da final da libertadores, eu e mais um amigo da universidade viemos para São Paulo alguns dias antes da partida para comprar ingressos para o pessoal da classe, para uns veteranos e logicamente para nós. Porém, quando chegamos ao palestra lotado pudemos comprar somente mais dois ingressos além dos nossos. Quando chegamos na universidade, lembro até hoje do momento do sorteio dos ingressos. Fomos até a biblioteca, éramos mais ou menos em 9, um ficou para um amigo hondurenho e outro para um veterano.
    No dia do jogo almoçamos e pegamos um ônibus da empresa cruz, e na parada encontramos dois ônibus de torcedores do verdão, que vinham também do interior, no posto graal. O posto parecia uma prévia da arquibancada. Ali começou o clima do jogo.
    Fomos para jogo, sentamos na curva da arquibancada, ficamos roucos.
    Voltamos de madrugada para São Carlos.

  13. Meus momentos mais inesquecíveis no Palestra Itália não foram em nenhum dos jogos do Palmeiras que assisti lá. Depois que me tornei sócio do clube tive a chance de passear em várias ocasiões nas arquibancadas vazias, só eu e meu filho de três anos de idade.

  14. Lembranças … são o combustível para permanecer para sempre um palestrino!
    02 de Agosto de 1995. Quartas de Final da Libertadores. Eu tinha apenas 12 anos, já tinha ido ao estádio inúmeras vezes com meus pais. Mas aquela dia era especial. Tínhamos tudo pra ficarmos em casa, assistindo ao jogo pela TV pois tínhamos tomado um chocolate do Grêmio no RS (5X0).
    Estávamos lá, eu e meu pai, o Palestra lotado. Logo no começo o Jardel marcou. Era praticamente impossível. Nunca, até hoje, assisti no estádio um jogo como aquele. A torcida desabou quando tomamos o gol, mas continuamos cantando.
    Estávamos perto da bandeira de escanteio, na arquibancada, ao lado de onde depois viria a ser o setor Visa do Palestra, e não pudemos ver com clareza o gol no gol das piscinas. 1X1.
    No final do 1º tempo, não lembro quem marcou o 2º. Só lembro do meu pai, fanático, dizendo: “Ainda dá filho, no segundo tempo garantimos a classificação”. O Palmeiras voltou do intervalo elétrico e contagiou a torcida.
    Logo no início do segundo tempo, 3X1. Eu comecei a pensar que realmente dava. Faltavam mais 3.
    O 4º veio de penalti. Nesse momento a torcida estava enlouquecida. Parecia que tinhamos ganhado um titulo. Lembro, como se fosse agora, eu puxando a mão do meu pai pra dizer que o chão estava tremendo. Hahaha…A Arquibancada parecia ter um coração! Nesse momento ele me colocou nos ombros. E foi dali que vi o 5º e inimáginável gol. Só faltava um para os penaltis. No fim ainda, lembro de uma bola na trave.
    Desde esse dia sabia que nenhum outro time jamais me faria sentir o que senti. Me tornava ali um autêntico Palmeirense/Palestrino.
    Mesmo sem a classificação, vi o que fazem 11 jogadores e uma torcida.
    Ótimas lembranças daquele Palestra! Que venha a Arena! Avanti Palmeiras! Sempre!

  15. alfredo pommella

    Minha primeira experiencia no Palestra Italia foi com o meu avo, jogo Palmeiras x Juventus, ( 1×0 goldo divino), la ele me explicou todas as superstições que tinha.. inclusive da bandeira no predio da frenteàs cativas…” sempre que ela ta la nós ganhamos…
    e naquele dia no segundo tmpo foi colocadaa bandeira e ganhamos ..

  16. H. Petrocino Junior

    Fui ao último jogo oficial do estádio Palestra Italia e também ao amistoso de despedida, e fiz questão de levar meu filho e esposa juntos, para darmos um “até logo” ao estádio. Meu filho, que agora está com 16 anos, ao menos um dia pôde ver ao vivo o Ademir da Guia batendo uma bola no campo do Palestra com seus colegas ex-jogadores, além de vermos também Oberdan Cattani, Leivinha, Cesar Maluco e tantos outros grandes jogadores no evento de despedida.
    Em minha opinião, para quem é descendente de italianos, não existe símbolo maior que o clube Palmeiras, e seu glorioso estádio Palestra Italia. Ele representa nossos antepassados, os imigrantes italianos, e seus descendentes no Brasil. Representa a garra e a força de um povo que enfrentou grandes dificuldades para chegar aqui, trabalhar, ajudar a construir o Brasil, e nos legar sua cultura e suas tradições.
    Torço para que a nova Arena Palestra seja uma realidade, e que continue dando muitas alegrias a nós palmeirenses, e que sua história, antes e depois (“primeiro e segundo tempos”), seja contada de geração em geração, e que possamos assim preservar o nosso espírito italo-brasiliano.
    Ciao Palestra, ci vediamo presto !!!

  17. Memoria eh o que nao falta do nosso Palestra Italia.

    Minha casa. Tenho guardado na minha memoria cada passo desde parar o carro no posto, ou em uma travessa e caminhar ate o portao principal da turiassu. Tenho na minha memoria cada cheiro, cada cor, cada som e cada emocao que eu senti dentro desse estadio.

    Parece coisa de louco, mas eu consigo sentir na sola do meu pe o chao da escada, da arquibancada. Acho que sei o formato daqueles tijolos que tinham no chao que se caminhava em baixo das escadas, na frente das lanchonetes. Consigo sentir na mao o corrimao enferrujado e o cimento tremendo com pulo da torcida. Sei onde o sol nascia e se colocava. Consigo sentir o calor do sol dos jogos de sabado a tarde e consigo sentir o frio gelado dos jogos de quarta feira a noite.

    Queria sentir de novo a felicidade de quando a bola do Zapata foi pra fora. Lembro que pra mim como adolescente, quando o Marcos foi correndo pra comemorar, o mundo podia acabar ali. Foi a maior felicidade que um Palmeirense podia sentir. Ajoelhei e chorei ate ser levantado pelo meu pai. Nao olhei pro campo por varios minutos. Nao precisava. Eu estava numa dimensao que so um Palmeirense consegue entender.

    Todos os dias que eu entrei pelo portao principal, cada ingresso que eu segurei na mao, todos os gritos de gol estao guardados dentro de mim.

    O estadio pode nao estar la, mas na minha memoria continua mais vivo do que nunca. Obrigado, Palmeiras.

  18. André Amorim

    Nossa!! foram tantos momentos!!! mas o que nunca esqueço é um Palmeiras e Bragantino!! é isso mesmo!! claro que não deu nenhum título mas vou um dos jogos mais emocionantes para mim… afinal depois daquela tragédia de 1989 o o verdão colecionava derrotas, empates contra o bragantino e eu não perdia um jogo do Palmeiras contra os linguiças….em 1990 fui em um 0X0 com o tornozelo que parecia uma bola de tão inchado.. masi não podia perder o jogo… pulava e cantava com uma baita dor!! mas não ganhamos!!!! em 91 outra derrota e um empate e nada de vitóriaa!!! mas naquela noite de 28/10/1992 tiramos para sempre aquela zica!!!! foi emocionante nem a chuva atrapalhou ao final!!! aos 46 do segundo tempooo!!! Cucaaaa!!! e vitóriaaa!! nossa que emoçãooo!! e lembro do Globo esporte do outro dia com a musica Verde!! acho que é do Ivam Lins!! fico arrepiado com isso!!!

  19. Onde eu compro esse filme????? Ai meu Palestra… não consigo expressar em palavras a alegria da primeira ida ao estádio!!!!

    • Igor, o filme será vendido em DVD até o fim do ano. Ainda não temos uma data certa, mas assim que tivermos mais informações, divulgaremos aqui no blog e nas nossas redes sociais. Fique ligado!

  20. Dimas Fernandes Vieira Junior

    Bom… É difícil, pelo menos para mim, escolher “um momento” ou “uma história”… Não sei… Vou pelo caminho do grande palestrino, Ugo Giorgetti, na coluna por ele escrita e publicada, no Estadão, em 29/05/2011… Palestrinos que não leram, por favor, o façam:

    http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110529/not_imp725272,0.php

    E agora que você leu, você, que como eu, ama as cores verde e branca, sabe porque digo isto: O que me encanta no futebol é esse tipo de coisa, que, ao que parece, está se perdendo cada vez mais… Aliás, vou ver se arrumo um tempo pra dar a minha passada, lá pela Turiaçu, e, colado à grade, lembrar, por exemplo, daquela noite, em 05/08/1995, quando, da arquibancada, bem na linha do meio de campo, vestindo uma camisa do Boca Juniors, gritei cada um dos cinco gols do Palmeiras, na nossa vitória sobre o Grêmio…

    Que venham dias melhores e que as memórias e a paixão não morram, nunca…

    Um grande abraço a todos e parabéns pelo belíssimo projeto…

  21. Tive apenas três passagens no Palestra Itália, mas foram três vezes inesquecíveis. A primeira, em 2004, em uma vitória de 3×1 contra o Atlético-PR, com um publico de quase 19 mil pessoas. Estava com 13 anos de idade, e aquilo para mim foi a realização de um sonho, que parecia não ser verdade. Estar no estádio, junto da torcida que eu sempre admirava, ver o time que desde criança amei, gritei, chorei por ele… Foi algo que não dá para descrever. Na segunda vez, um sábado à tarde, Palmeiras 1×0 Guarani, 2009. A mesma emoção, cinco anos depois, num jogo sofrido mas não menos comemorado. Minha despedida ao velho Palestra Itália se deu na apresentação de Kléber Gladiador, em seu retorno ao clube. Após a apresentação do jogador, observei pensativo cada metro do estádio, fotografando e lembrando das duas vezes anteriores, já guardando na memória as imagens de um lugar que virou minha segunda casa. Apesar de ter frequentado tão pouco, me apaixonei por aquele estádio tão aconchegante, palco de tantas vitórias e conquistas. Sentirei saudades, Palestra, e contarei com muito orgulho aos meus filhos e netos, que estive junto de você. Seja bem-vinda, Nova Arena, e que você acumule tantas conquistas quanto seu antecessor. Parabéns pelo projeto, e isso faz com que, cada vez mais, eu sinta orgulho de ser palmeirense.

  22. No ultimo jogo contra o Gremio , eu fui com meu pai e mais um amigo,
    estava fervendo, pegando fogo tava o re lotado e lindo como sempre fo palestra, saudades , espero poder pisar ali no jogo de iinauguração!!

  23. vivo por viver mais vivo por que amo vc palmeiras te amo

  24. Sou o mais velho de 4 irmãos. Na minha casa, futebol se resumia praticamente a seleção brasileira. Meu pai, carioca, não era de assistir jogos de nenhum clube e, para fugir da disputa entre seus irmãos, flamenguistas e fluminenses, dizia que torcia para o Canto do Rio F.C. O primeiro jogo que assisti foi no Pacaembu com um irmão de meu pai, fluminense, e era jogo do Santos, de Pelé e Cia. Eu queria escolher um clube para torcer. Tinha aquele Santos e o São Paulo, time de meu avo materno. Mas não teve jeito, no caso do Santos, aquela camisa sem graça, branca… fui ser palmeirense pelo verde maravilhoso.
    Leão, Eurico, Luis Pereira, Alfredo e Zeca, Dudu e Ademir, Edu, César Maluco, Leivinha e Nei – como esquecer? E os outros? Como faz o Moacyr Franco no belo hino, são tantos nomes e sempre podemos esquecer alguém.
    Meu jogo marcante no Palestra foi no começo de 1972. Palmeiras x Estrela Vermelha (Iugoslavia?). Chovia demais, eu sozinho da família, poucos torcedores naquele primeiro jogo de um ano que seria inesquecível. Meu dinheiro era pouco, só podia ficar na arquibancada até então. Era tanta chuva que franquearam as numeradas e foi minha primeira vez naquelas cadeiras (na verdade banco). O resultado? 7 a 0 prá nós. Eu já palmeirense – adolescente ainda – firmei prá sempre o alviverde no meu coração. Hoje tenho dois filhos palmeirenses que já me acompanharam várias vezes aos estádios e estivemos juntos naquele Palmeiras x Boca de despedida cujo resultado desagradou mas onde mais uma vez vi Dudu, Ademir, Evair, Leivinha e cia.
    Alguém disse que vai haver uma promoção para quem esteve naquele jogo na reinauguração do Palestra. Pelo sim, pelo não, guardo o tiquet com carinho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s